Eu mudo, tu mudas, ele muda, nós mudamos

Se pensarmos bem, é assustador nos darmos conta dessa grande verdade: tudo muda.
Somos capazes de perceber o processo de uma mudança? Ou, simplesmente, em um determinado dia, nos damos conta de que não somos mais os mesmos; que nossos amigos não são mais os mesmos; que nossos gostos mudaram; que abandonamos certas manias, entretanto, adquirimos muitas outras tão esquisitas quanto as perdidas; que esquecemos paixões que julgávamos nunca mais esquecer, etc? Voto na segunda opção. Ainda mais no mundo de agora, onde vivemos atordoados, metidos em mil e uma atividades. Não percebemos praticamente nada, na verdade. Não temos a capacidade de entender que, apesar de tudo, a nossa vida talvez não seja tão terrível assim, mesmo nas fases mais críticas. Reclamamos muito, demais até. E erramos tanto nessa ininterrupta reclamação. Me ocorreu uma ideia meio insana agora: se não fazemos nada para mudarmos uma situação, não podemos reclamar dela. Ou, ainda, não podemos passar o resto de nossas vidas reclamando, de braços cruzados, sentados no sofá da sala. "Ah, tudo está uma droga!", "Que vida sem graça, a minha...", "Tudo dá errado na minha vida...", etc.
É óbvio que se não nos movermos, se não sairmos da zona de conforto, se não dermos a cara a tapa, se não pagarmos para ver, continuaremos na nossa vidinha destemperada de sempre, nos desesperando pelos mesmos problemas, chorando pelas mesmas dores, nos lamentando pelas mesmas cicatrizes.
A mudança no mundo ao nosso redor, que enxergamos subitamente, talvez não seja a mudança mais louvável (o que não deixa de ser interessante). Mudanças se dão a todo momento, essa é a verdade. Porém, as mudanças mais admiráveis são aquelas deliberadas, aquelas que ocorrem por um propósito maior.
Toda mudança deliberada nasce de uma reflexão. Quando você para e começa a pensar sobre quem você tem sido, quem realmente você é ou quem você quer ser.
É você deixar um velho eu no caminho para encontrar o seu verdadeiro eu na próxima esquina. Isso sim é extremamente belo.
É você rever os seus gostos, esquecer definitivamente certos desgostos que tão somente amargavam a sua existência e resolver provar os mais suculentos sabores que a vida tem e pode te oferecer.
Mudanças deliberadas exigem coragem e desprendimento. Porém, permita-me dizer mais uma obviedade: tudo começa com um primeiro passo. Dado o primeiro passo, as coisas ficam mais fáceis e a caminhada se dá naturalmente.

6 comentários:

Ana Seerig disse...

Sou totalmente a favor de mudanças. Creio que a maior vantagem delas é a coragem de que precisamos. Assumir a coragem é o mais difícil, as mudanças que se seguirem são meras consequências.

Bela reflexão!

=)

Mihh' disse...

Também acredito que não percebemos as mudanças acontecendo.
Quando nos damos conta, tudo já mudou e nem temos como voltar atrás.
Dependendo da mudança, nem sempre isso é bom =/

Dayane Pereira disse...

Acho que é necessário não ter medo de ousar, a partir do primeiro passo, as coisas irão acontecer, irão mudar, irão surgir.
O medo sempre atrapalha, por isso eu aprendi a ficar cada vez mais ousada com a vida.

Allyne Araújo disse...

Muito do que eu vinha pensando essa semana, no que diz respeito a certas mudanças, vc expressou aqui.. um texto muito bom e instigante. Gostei, beijoooo

Tati disse...

Muitas verdades.

Rebeca Postigo disse...

Com sempre...
Dizendo tudo...
Adorei o texto!!!

Bjs