Preconceito feed back


Sei que o preconceito com homossexuais ainda é algo que existe em grande escala na sociedade. Quero deixar claro que eu não tenho preconceito de forma alguma, tenho amigos homossexuais. Mas andei reparando no comportamento de algumas pessoas que parecem que de tanto lidarem com esse preconceito, acabaram por arrumar uma forma de defesa- o contra ataque.
Digo isso por causa da atitude de uma amiga lésbica que tem uma certa reserva contra homens, capaz de dizer coisas do tipo: "só faz essas merdas porque é homem". Coisa que discordo completamente, pois mesmo as mulheres podem ser muito filhas da puta. Conheço algumas meninas lésbicas que sofreram com filha da putagem das namoradas, não é porque é mulher que é incapaz de trair, mentir, simular. Uma outra amiga minha que teve relacionamentos com homens e com mulheres disse: "mulher quando é filha da puta é pior que homem, pois homem se entrega fácil, mas mulher faz tudo por trás, dissimula, consegue esconder tudo".
Também conheço um cara gay que evita de se relacionar com héteros pois sempre acha que não vão gostar dele. Se afasta das pessoas sem antes conhecê-las. ele já sofreu tanto preconceito na vida, que aprendeu a se preservar, mas essa preservação já se tornou um ataque, como se todos os homens do mundo fossem agredi-lo. A amiga do inicio do texto também tem suas reservas com os homens. Sempre se mantém com um pé atrás, não gosta de assédio (não esta escrito na cara que ela é lésbica), e para um cara chegar a conquistar a confiança dela demora um tempo. Com meninas já é mais fácil. Daí eu penso: assim como tem homem preconceituoso no mundo, também tem mulher. E acho mais fácil uma mulher descobrir que ela é lésbica e se afastar do que um homem agir dessa forma. Geralmente o homem que tem preconceito com gay, não tem com lésbica, pois talvez inconscientemente seja algo aceitável por ter relação com o eterno fetiche masculino de duas mulheres juntas.
Creio que preconceito de qualquer tipo nunca levou ninguem a  lugar algum. Acho a melhor saída conhecer a pessoa a fundo, antes de julgá-la, pois se a pessoa for boa, será boa independente da sua opção sexual, se for mal caráter será de qualquer modo.

4 comentários:

Luna Sanchez disse...

Eu não gosto de bandeiras tremulando em tempo integral, não gosto de quem usa algum aspecto da sua vida pra chocar os outros, tenho preguiça de gente assim.

Tenho amigos gays também, amigos que são ótimos profissionais, pais, mães, filhos, irmãos, que riem, choram, erram, fazem besteiras, fazem agrados, separam o lixo seco do orgânico...Enfim, pessoas normais que vivem as suas vidas e são inteiras e não apenas quem o que levam pras suas camas.

Gostei do espírito do teu texto, Dayane.

;)

Beijos pra vocês todas.

Rebeca Postigo disse...

Intrigante é perceber como julgamos e estereotipamos as pessoas a nossa volta por puro preconceito e egoísmo...
Não devemos julgar as pessoas em nenhuma oportunidade, pois quem somos para tirar conclusões a respeito de qualquer pessoa...
Todos somos humanos e sujeitos a erros e mudanças...
Rotular as pessoas é extremamente preconceituoso...
Belo texto, Day!!!

Bjs

Gabriela Marques disse...

Bom, sempre evito comentar em posts cujo dilema é opção sexual.
Já perdi amigos por ser sincera. Sou preconceituosa sim, e acho que morrerei assim. Apesar dos apesares, não me encaro sendo uma preconceituosa apenas com homossexuais; sou contra qualquer tipo de exposição sexual, seja ela hetera ou não. É uma coisa que eu sempre abordo: quando você vê um homem mais uma mulher juntos, você raramente os imagina na cama, pois chega a ser algo um tanto comum (afinal, os pais precisaram ter relações para você e eu, todos nós estarmos aqui.) Mas isso não acontece quando vemos pessoas de mesmo sexo, acabamos sempre imaginando e sentindo repulsa pela ideia que nos vêm à cabeça.
O homossexualismo sempre existiu, sempre. Mas isso apenas veio à tona agora com a liberdade de expressão.
Digo que sou preconceituosa porque me sinto hipócrita em não dizer que me sinto triste quando sei que algum amigo meu, ou pessoa que tenho contato acaba partindo pra esse lado. Ninguém imagina-se tendo um filho gay, não tendo netos de sangue, e não o vendo com uma família "comum".
Eu pelo menos não, e se isso é ter preconceito, então eu tenho.


Beijo doce, Dayane.
Abordaste o tema muito bem, coisa que me admira em você.

Erica Ferro disse...

É o que eu sempre digo: temos o direito de ter nossa opinião, só não podemos ser ofensivos e agressivos. Não concordar e não gostar, tudo bem, mas odiar e sentir nojo é um pouco demais pra minha cabeça. Bela reflexão, Day.