Receita de Ano Novo

Para você ganhar belíssimo Ano Novo
cor de arco-íris, ou da cor da sua paz,
Ano Novo sem comparação como todo o tempo já vivido
(mal vivido ou talvez sem sentido)
para você ganhar um ano
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras,
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser,
novo até no coração das coisas menos percebidas
(a começar pelo seu interior)
novo espontâneo, que de tão perfeito nem se nota,
mas com ele se come, se passeia,
se ama, se compreende, se trabalha,
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita,
não precisa expedir nem receber mensagens
(planta recebe mensagens?
passa telegramas?).
Não precisa fazer lista de boas intenções
para arquivá-las na gaveta.
Não precisa chorar de arrependido
pelas besteiras consumadas
nem parvamente acreditar
que por decreto da esperança
a partir de janeiro as coisas mudem
e seja tudo claridade, recompensa,
justiça entre os homens e as nações,
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal,
direitos respeitados, começando
pelo direito augusto de viver.
Para ganhar um ano-novo
que mereça este nome,
você, meu caro, tem de merecê-lo,
tem de fazê-lo de novo, eu sei que não é fácil,
mas tente, experimente, consciente.
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.

Carlos Drummond de Andrade

* * *



Poema conhecidíssimo, não é? Sim, é, principalmente em fins de ano. Mas atentem bem para este trecho:
É dentro de você que o Ano Novo
cochila e espera desde sempre.




Todo dia é dia de se analisar, de se reformular, de sonhar, de acreditar, de vencer, de aprender, de ser...
Não é preciso que se espere o fim do ano para criarmos resoluções de ano novo, aquelas promessas que provavelmente não vamos cumprir; que servem apenas para, no fim do ano, estarmos frustrados por não termos "batido a nossa meta". Não prometamos nada, nadica de nada. Vivamos. Apenas vivamos. Porém, com sinceridade, com vontade, fazendo o nosso melhor a cada dia, o melhor para nós, o melhor por quem amamos, o melhor para o mundo em que vivemos. Creio eu que, se vivermos com verdade, isso nos bastará.

Espero que tenham apreciado esse belíssimo poema do Drummond e, claro, peço desculpas por ter me empolgado e dado "pitacos" nesse post que deveria constar apenas o poema do Carlos, já que quinta é dia dos textos alheios. Abramos uma exceção, pois sim?

Não desejo-lhes "Feliz ano novo!", mas sim "Feliz dia novo!".

Um abraço da @ericona.
Até sábado!


4 comentários:

Dama de Cinzas disse...

Um excelente ano de 2012 pra ti tb!

Beijocas

Christian V. Louis disse...

Os Crtl C e Ctrl V quando inseridos em um blogue com uma nota original do autor que escolheu o texto em meu ponto de vista se torna muito interessando e em minha opinião, os demais posts dos textos alheios da semana deveriam ser feitos tal como você fez Erica. Pois assim, nós, leitores, não apenas relemos poemas que não são novidades para nós, mas saberemos o porquê da escolha do poema que, para mim, é o que realmente importa.
Um Feliz 2012 para você. :)

Christian V. Louis disse...

Vou me corrigir: interessante e não interessando.
Digitar rápido é um vício incurável e que só me faz dar mancadas. #aff

Thai Nascimento disse...

A gente sabe, mas é sempre bom lembrar. No dizer da minha mãe: "não sei pra quê tanto alvoroço se a gente só troca o calendário..." Acredito que estipular metas seja bom, faz a gente querer avançar. Só não dá pra esperar que tudo se realize magicamente, não?

Ah, mais uma coisinha: "você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita" - precisar não precisa, mas bem que é bom, né? rsrs

Abração e Feliz ano Novo pra todas!