A índia do norte...


 Eu não sou a melhor pessoa para dizer quem é a Allyne, pelo menos desta que vocês lêem e que lerão. Desta que escreve erros de português aos montes e se diverte com isso, não por que seja engraçado, mas porque sente prazer em pesquisar em dicionários. A allyne que vocês vêem é completamente oposta: É água e ar, é extrema e teimosa, é leve e durona, é super protetora, ciumenta, chorona e sensível, gosta de atenção e tem mania de se auto subestimar. Por que então eu não sou a melhor pessoa para contar a vocês quem ela é? Bom, gente eu não carrego um espelho vinte e quatro horas por dia, e não vou ser tonta de dizer que eu me acho um máximo e a melhor pessoa do mundo: Eu não sou fã de boate, atender telefone, piadas de mau gosto com os defeitos alheios, dor de cotovelo mal resolvida e sou “séria” (pelo menos entre a multidão) e adoro uma bateção de papo seja a que hora for. Nem sei lhes dizer se gosto mais da manhã ou da noite, eu curto o meu dia em estágios, cada um como se fosse único e diferente.
Amo “meus bons amigos”, embora eu não faça idéia de onde eles possam está, o certo é que quando apaixonada (o que me acontece de duas a três vezes na semana) eu demonstro o amor que sinto até ao ponteiro da minha universidade.  Eu pago um King Kong a cada esquina e dou gargalhadas imensas de mim mesma. Eu sou a irmã mais velha e a mais nova da minha turma da faculdade, a mimada e a que tem um filho adotado a cada toque de simpatia e compreensão.
Vou vivendo, porque odeio só sobreviver, eu estou aqui: Eu amo, me chateio, esperneio e tasco tudo na parede, eu quero conversar, explodir e dizer “tá tudo bem”. Eu sou assim, mas depende de como você irá me interpretar.
Eu sou da região norte – Tocantins – Do bico do papagaio, da cidadezinha “mais tradicional”, da Boa Vista do Pe. João (da onde tudo já teve e de onde “nada” mudou). Descendente de índios, negros, portugueses e maranhenses, e mais do que tudo das águas fundas e verdes do Rio Tocantins.        

P.s: depois lhes conto mais....

6 comentários:

Ana Seerig disse...

"Eu pago um King Kong a cada esquina e dou gargalhadas imensas de mim mesma."

Que bom que não sou a única!!

Adorei! =D

Dayane Pereira disse...

Gostei muito do seu perfil, das suas contradições, e do bom humor.
=D

Gabriela Marques disse...

"eu não carrego um espelho vinte e quatro horas por dia"
Nem eu, por isso passo 25 horas olhando nos alheios.

Beijo doce.

Rebeca Postigo disse...

Hahaha...
Gostei de te conhecer melhor...
Me identifiquei com alguns detalhes...
Hehehe...
Também fui a caçula da turma na faculdade...
Huahuahua...
=D

Bjs

Luna Sanchez disse...

Sou solidária nos micos gigantes e nas gargalhadas que vêm depois, Nine!

=)

Beijo, beijo.

Erica Ferro disse...

"...o certo é que quando apaixonada (o que me acontece de duas a três vezes na semana) eu demonstro o amor que sinto até ao ponteiro da minha universidade."

Adorei esse trecho!

Nos parecemos muito, sabia?

Adoro o seu jeito louco de ser.

Muito bom tê-la aqui no Gurias Arretadas, índia do norte! ;)