Heroína de plástico*

Você acorda e tem a sensação de que é um dia perdido, mesmo que todos sorriem e apostem alto no que você faz: Bem-vindo, essa é minha vida!
As pessoas te olham e parecem ver a perfeição. Todos acreditam que você está sempre bem, que você pode tudo, que você não tem problemas. Te olham com inveja, admiração, enquanto você, quando se olha no espelho, sente apenas cansaço e derrota. Ninguém em nenhum momento acha necessário perguntar "Você está mesmo bem?", então você se cala.
E você sabe que se errar, o mundo irá cair. Como o elo, é você a primeira pessoa para quem eles olham e a única, muitas vezes, a que eles escutam. E você cresce com dois problemas: O fator Deus e a vontade de largar tudo.
Ver que as pessoas confiam e acreditam em você é ótimo, mas é absolutamente necessário poder fraquejar às vezes. Não me dou esse luxo. Pensar que um resbalo seu pode fazer os outros cair é algo que realmente pesa. Mais fácil é continuar a manter tudo bem para os outros e não se dar espaço pra lamentar.
Com a ideia fixa de que você é sempre essencial, indispensável e por vezes único, embora com dores absurdas de que precisa se dar um tempo. Jamais cair, jamais errar... Carrega carga extra e problemas alheios, tal como um deus que nunca descansa.
Por um momento seu maior desejo é ser egoísta o suficiente para deixar o mundo desabar e não se preocupar. Irônico isso, no fundo você sabe que é sim egoísta, mas consigo, pois ignora a si em prol dos outros. Um sorriso de canto surge em seu rosto, é sempre melhor rir do que chorar, especialmente nesse momento.
No momento exato de se negar a si mesmo, pula aos ares sem paraquedas! Minha vida é bem esta, se é que pode ser chato. Prazer, eu vivo de ajudar aos outros, quanto a mim... deixa para lá.
Sim, é ridículo. Eu sei. É fácil lamentar com palavras e não mudar certas atitudes. Sim, é fácil. Ridiculamente fácil. Difícil mesmo é ter coragem pra enfrentar o que se vê como problema e, simplesmente, seguir em frente da maneira com um pouco de egocentrismo. É, isso é difícil.

(Allyne Araújo e Ana Seerig)
________________________________________

Primeira parceria aqui no Gurias, espero que tenham gostado!

*Título roubado descaradamente da música do Identidade.

6 comentários:

Dayane Pereira disse...

Ah é assim então. vcs nos traem? Fazem a parceria de duas né? Assim nossa relação esta ficando insuportável!! kk
Ah, quantas vezes eu servi de válvula de escape, e fiquei em segundo plano. Mas essa fase já passou pra mim, sou muito egocêntrica agora!

Christian V. Louis disse...

Concordo que seja difícil, mas apenas perceberem que isto não está certo já é um grande passo. Tal como assumirem que é muito cômodo por vezes (e ridículo, em suas próprias palavras) fazer a síndrome do coitadinho do que simplesmente tomar uma atitude.
Contanto, penso que o segundo passo seria não dar tanta atenção ao que os outros pensam, se vão ou não ficar mal, sim, por vezes temos que ser não egoístas, mas possuir amor próprio, pois quem não ama a si, não pode amar aos demais. Quem "deixa para lá" seus próprios problemas, tampouco estão aptos a ajudar, consolar e com isto, sofrem o desgaste que gerou este texto.
Não cabe a mim criticar ou julgar, é apenas uma constatação. Temos que viver para nossas vidas e não as dos demais. Como disseram, um erro muda tudo, ou seja, todo o sacrifício que estão fazendo até agora corre um risco imenso de ser vão, pois todos cometemos ou cometeremos muitos erros e então, tais pessoas lhes virarão as costas e então, vocês cairão em si que realmente perderam muito tempo se preocupando com outros, enquanto deviam estar cuidando de si mesmas. Pode ser um egocentrismo, mas as avessas e desgastante, não vale a pena e tal como a morte, um dia irá chegar e acabar com tudo, porque apenas se recordarão do deslize que estragará a imagem que vocês criaram para si mesmas.
Pensem em vocês. Cada um só pensa em si próprio.
Desculpem pelo comentário imenso, escrevo demais sempre. ahaha.

PS: Adoro escrever em parceria, quem sabe um dia não nos reunimos?

Arianne Carla disse...

Primeiro temos que reconhecer: Quem somos nós e depois os outros.
Uma ótima tarde.
seguindo. ^^

Lilian disse...

E só eu saberei se foi a falha necessária.
(C.L.)
Amei o blog.Tô seguindo.

VaneZa disse...

É, gurias, egocentrismo é bom de vez em quando. Carregar o mundo nas costas não dá.

E lamentar as falhas e não tomar nenhuma atitude para mudar é tão ridículo quanto normal. Fazer o quê. Nesse ponto somos do mesmo time.

Engraçado que uma vez um terapeuta me disse que não entendia o porquê dos meus questionamentos e tal porque só eu não via que era uma mulher independente, forte, inteligente e tal... cara, é um porre passar a ideia de uma coisa que não se é. As pessoas te cobram por isso.

Beijozzz

Allyne Araújo disse...

Neste eu não vou comentar.. Porque pra quê falar mais? complexo ele é só de tentar imaginar, então, deixa quieto. bjoo rs