Tá bom mesmo?




Se primavera é tempo de florescer, acho que em mim aconteceu o inverso. Pior... O único efeito primaveril é a umidade a embaçar meus olhos. Não, não nasci pra ser flor, mas vi outra parte de mim morrer como se fosse folha seca no outono. Ou talvez, seja apenas o efeito final de um inverno seco ao qual você me submeteu. E agora o quarto está com esse cheiro de embolorado - de tanta chuva e do nosso antigo jeito de ser guardado.

Você não vê? A distância é tanta que não invado mais o teu espaço. Me dói e eu já não quero mais ser nós. Não, não diz "tá bom". Volta aqui que você deixou abandonados teus sapatos de solas enlameadas no meio da sala, tira essa toalha molhada de cima da cama. Tuas manias agora me irritam.

Olha nos meus olhos e me responde: tá bom mesmo? Não usa esse tom reticente de “depois a gente resolve”, “depois a gente se fala”; depois, sempre o depois. E o pormenor permaneceu. Aglomerou-se, tornou-se multidão de palavras não ditas. Agora elas nos separam, não percebe? Você sabe de tudo isso e não é preciso que eu te diga. Não precisa balbuciar “não é isso”.

Eu me cansei da tua acidez e você do meu sentimentalismo bobo. E eu que pensava que seríamos complemento um do outro, vejo que sobra espaço dentro do meu peito e falta espaço pra dois nessa casa. Apesar de te amar, hoje, eu vou e não volto, amor.

4 comentários:

Erica Ferro disse...

É triste quando a flor do amor morre na primavera.
Hein? Que foi isso que eu disse? HAUHAUAHUAHA Enfim, suas palavras sempre me encantam, Barbara. Adoro o seu escrever! ♥

Daiany Maia disse...

às vezes a gente cuida mas a coisa não floresce mesmo.

"Por excesso de zelo até as flores morrem"

Por falta de cuidado também.

beijo

Tati disse...

Amei - de uma delicadeza que só você consegue e tão intenso que ai ai!

Sylvio de Alencar. disse...

Babi, muito..., muito!, sua palavras.
Engraçado como homens não vêem certas nuances, e insistem em serem cegos.
Por outro lado, uma mulher que olha nos olhos do amado, ou ex..., e fala o que você falou aí em cima, sem duvida o verá abrir bem os olhos, tentando não acreditar no que seus ouvidos estão escutando. O chão desaparecerá sobre seus pés, e ele se sentirá só, num deserto...
Mas, isso nem sempre acontece. e tudo o que você falou aqui, se torna mais palavras que se juntarão ao que não foi dito.

Muito importante a gente ter a devida calma para poder dizer o que queremos para as pessoas com as quais nos relacionamos. Vai doer? Que doa. Irá a outra pessoa entender? Bem, falando com amor, saberemos que nós estamos fazendo a coisa certa; se a outra parte não entender, problema dela.

Lindo seu texto. Tocante. Me dá vontade de te pegar pela mão e ir passear num parque para admirar árvores floridas como essa, da foto; e de te falar de como é bom ter uma pessoa por perto. Mas isso, você sabe.

Abraços.