Das perguntas difíceis de responder

Qual é o seu autor favorito?

Foi essa a pergunta que a Aleska fez. Se tu perguntasse pra alguém qual é meu escritor favorito, na certa te dariam uma resposta. Mas eu não tenho uma certa.

Tem um grupo que diria de primeira: Agatha Christie. Tenho um apego por ela. Meus pais sempre leram e, desde que eu comecei a ler, me encantei e estou na tentativa de completar a coleção dos Seerig. Dos 80 e poucos livros que ela publicou, já temos uns 53, 54. Tô chegando lá. Um viva aos sebos e a lista que carrego na carteira (pelo menos no Brasil)! As histórias da Agatha sempre me surpreendem, os finais especialmente. E a autobiografia que ela escreveu só fez com que eu me encantasse mais com ela. É um dos xodós da minha estante.

Provavelmente alguns também dirão: Fernando Sabino. E, sim, eu amo o Sabino. Das crônicas aos romances, passando pelas histórias autobiográficas e pelos contos policiais. Mas... como não amá-lo? Ele foi capaz de escrever tantos tipos diferentes de literatura que é impossível que ao menos agrade. Aos pouquinhos vou lotando minha estante com livros dele e, concomitantemente, fazendo minha mãe se apaixonar por ele. Nos últimos anos, ela é uma visitadora fiel da minha estante e está sempre me pedindo o que deve ler. Se teve dois autores que fiz com que ela se apaixonasse, um é Sabino ("Mas como é possível? Ele escreve de maneira tão bonita! A gente não consegue parar de ler e rir sozinha!") e o outro é...

John Grisham. Também pode ser que alguém diga que ele é o meu favorito. Outro dos vícios que dei a minha mãe. Não sei bem ao certo como fui lê-lo pela primeira vez, acho que via tanto no sebo que o nome me chamou atenção. O primeiro que li foi "O Cliente" e ali me apaixonei. Não adianta, tenho um fraco por coisas policiais e jurídicas. E, tal como a Agatha, por mais que os livros girem em torno da mesma temática, jamais são repetitivos. Vivo empurrando pro meus amigos que estudam Direito (afinal o Grisham é advogado, ou seja, sabe o que tá escrevendo, sem fantasias) e pra quem mais se aproxime de mim enquanto eu o estiver lendo.

Tal como acontece com a Jane Austen, a autora favorita da Aleska, por quem também tenho um apego. Sempre que a leio meu humor muda, meu modo de falar e meus pensamentos em tempo ócio também. O modo com que ela escreve é encantador, sem deixar de ser crítico. Tal como a dona Aleska, a conheci pelo filme "Orgulho e Preconceito", o qual hoje, por sinal, odeio (maldita Keira). O que me impressiona, de fato, é que a Jane em nenhum momento descreve personagens, nós os vamos descobrindo durante a narrativa, de aparência a personalidade. Acho fascinante esse dom, que só posso comparar a...

Alexandre Dumas, pai, a Jane Austen de calças. Creio que o grupo que responderia que ele é meu autor favorito é maior. De fato, tenho um apego especial por ele. (Fiz até especial lá no blog.) Anos atrás surgiu uma curiosidade imensa em mim em saber mais sobre os tão falados mosqueteiros: como assim os três mosqueteiros era quatro? E o 'Um por todos, todos por um'? E essa mania futebolística de ter mosqueteiros como mascotes? A gota d'água foi ver uma adaptação na tv em um sábado de ócio no meio-do-mato. Gostei do filme apesar de, como descobri mais tarde, não ter nada a ver com a história original. O fato é que comecei uma saga atrás da versão original do livro, no qual acabei descobrindo o bonito caminho para a Biblioteca Pública de Caxias do Sul. Amor à primeira vista. Depois de uma vez lido Dumas, não consegui mais parar. Ando sempre atrás de livros dele. Já completei a trilogia dos mosqueteiros, tenho mais uns dois de coleção nenhuma e agora quero ir atrás de outras coleções dele... Enfim, a verdade é que, com muito custo, sou capaz de admitir que "Os três mosqueteiros" é minha história favorita. Analiso pessoas e a mim mesma com base nas personagens de Dumas. Sim, ele pode ser meu autor favorito, mas...

Tem também o John Irving. Maldito ser que me estapeou inúmeras vezes com "O mundo segundo Garp", história que vivo a remoer. O fato é que ele me desperta amor e ódio. Admiro tanto o Irving por sua coragem quanto o crucifico por sua acidez.

Ah, e teria também o Hermann Hesse, que escreveu tanto pra aumentar e solucionar minhas dúvidas do universo; e o John Fante, cujas personagens têm vidas que eu adoraria ter coragem pra ter. Isso sem falar naqueles livros soltos que me deram tanto o que pensar, nas personagens que sempre me seguem com suas perguntas e problemas. Sim, sem dúvida eu leio demais e, por vezes, creio que isso me enlouquecerá. Ou salvará.



Sintam-se à vontade pra participar da blogagem da Aleska. Acho que é irresistível pra quem gosta de leitura. E quanto mais gente, melhor! Me sinto um fracasso por não ter conseguido responder com um único nome, mas a verdade é que cada bom livro nos muda um pouquinho e resumir tantas horas de leitura em um único nome não é fácil. Pelo menos não pra mim.

3 comentários:

Alê Lemos disse...

Olha só, realmente com o tempo vai dando a impressão de que o filme é ruinzinho, mas não amaldiçoo a Keira não kkkkk. esse negócio de influenciar os outros a ler é muito legal. Hoje mesmo deixei minha mãe interessada em ler "Garota Traduzida", que é o livro que atualmente estou lendo. O título parece meio idiota, mas a história é linda. Assim que terminar vou fazer uma resenha dele pro Entre Livros. Gostei de vc ter falado de tantos autores, a pesar da proposta ser o numero 1 da sua lista, eu não ligo muito qdo as pessoas saem do meu propósito, agente sempre acaba descobrindo coisas legais, qdo deixamos os outros se expressarem livremente. Muito obrigada por uma participação tão rica. Beijos!

Pandora disse...

Eu já tive uns trocentos autores favoritos e livros favoritos ao longo da vida e adoro falar sobre cada um deles, seus livros, suas histórias... Difícil e achar quem queira escuta kkk... Andersen - Machado de Assis - Fernando Pessoa ("O eu profundo e os outros eus" é o livro da minha vida) - Millan Kundera - Anne Tyler - Jane Austen - Neil Gaiman - Trude Canavan - Terry Pratchett - (meu atual autor favorito) - Michel De Certeau....

E vou parando por aqui, porque já não tenho um autor e sim uma coleção de autores favoritos!

Dos seus eu só conheço Dumas, autor de imaginação incrível que continua influenciando gerações, Austen, que apenas inventou o romance moderno e Agatha Christie, que até me prendeu em uma trama há uns 10 anos atrás e é sempre uma boa lembrança.

Luma Rosa disse...

Oi, Ana!
Só agora estou conferindo a lista de autores favoritos dos participantes da BC...
Tenha certeza, quem lê não surta! Pode ser o contrário, a leitura abre as comportas da mente! :)
Sua leitura é de muita qualidade, também por isso, não precisa se preocupar! Parabéns!!