Marrenta



“Querida folha de papel, que genuinamente substituiu meu amigo diário. Sabe, às vezes eu queria ter a minha fama de marrenta restaurada. Tipo, praquelas horas em que fazer valer a má educação compensa o fato de não reagir com maldade a certas coisas, e também pra não assustar quando esse ladinho não tão bom me surge.

E quem dera, só quem dera, se com isso a minha sensação de não sentir culpa voltasse também. Porque, é como já disse algumas vezes, existem pessoas que não merecem metade do bom caráter que nós podemos oferecer, e por mais que hoje isso me doa dizer, é verdade: o mundo é composto de pessoas com sorrisos bons e corações podres. 

.. “Às coisas são assim. Pra quê se lamentar?”.. Celso Blues Boy.

Uma vez um grande amigo meu me disse que “a gente precisa ser ruim”, e isso ficou martelando por um bom tempo em minha cabeça, até chegar ao ponto em que não havia sentido nenhum. Mas é certo que, com alguns anos a mais, isso soa claro: Quando você é sempre o bonzinho da situação, chega o ponto em que as coisas ruins sempre sobrarão para você, e é você quem começará a pagar pelos pecados dos outros. E isso é um fardo, principalmente quando você não nasceu pra ser santo.

Mas a grande questão não é o bem ou o mal, e sim um cálculo simples de consciência: o que soa mais vantajoso, e o que me trará algum conforto? E é aqui que entra as grandes facetas do que já mencionamos acima.

Zapeando pelos canais da TV dias desses, me chegou aos ouvidos à frase “algumas vezes você precisa passar por cima de algumas cabeças pra chegar até onde você deseja. Isso é fato. A bondade é para poucos”. Mas, cadê todo o companheirismo, corporativismo e coleguismo nisso tudo? Hahaha.. Pro beleléu todos esses assuntos, isso sim. 

Então, eu me pergunto: onde foi parar toda a minha marra, minha falta de respeito e tudo o mais? Porque sim, ando precisando disso, e com urgência.

E minha querida folha de papel, pouco importa se o que hoje te escrevo terá sentido ou não, porque compensa a minha falta de assunto, e também aquela sensação de que acordei do lado esquerdo da cama sem querer conversar com ninguém. Bom, acho que isso é mau humor, no entanto, tanto faz.

Fique bem. 

Patrícia.”

 xxxx

P.s: Tô travando uma batalha sem limites com uma amiga via mensagens no Facebook pelo que escrevi nesse post. No entanto, tá valendo. Desculpa se soar meio ofensivo e coisa e tal, não foi à intenção. Beijos, beijos e boa semana a todos! 

P.s. 2: Revisando o texto lembrei, que isso soou meio como a Luna Sanchez em “Alice não me escreva.. Ou notas de uma garota cruel”. E só lembrando, não foi minha intenção tornar tão parecido e nem inspirado nos textos da Lu, e peço desculpas se foi, assim como mando vocês irem até o “Palavras de Luna” ler o que seriam os originais, que por sinal são maravilhosos!. Entretanto, quero dizer: Maior saudade de vc (Luna) Benzão! Saudadona mesmo!!! É sempre bom lembrar de vc.


6 comentários:

Erica Ferro disse...

Olha, não é querendo pagar de boazinha, mas eu não pisaria em nenhuma cabeça pra chegar ao lugar que quero, mas também jamais deixarei que pisem na minha.
Em síntese, o problema é quem você ataca, quando ataca e por que ataca. Há pessoas más que são más pelo prazer de serem más. Há outras que se defendem, é diferente. Ou talvez não seja. Mas penso que a defesa é necessária em alguns casos, senão muitos deitarão e rolarão sobre nós, como se fôssemos nada.
E isso não é nem um pouco certo.

Beijo, Allyne!

Sacudindo Palavras

Allyne Araújo disse...

Erica - Difícil não pensar nessas questões "quem você ataca, quando ataca e por que ataca" e não se imaginar um tipo de gângster ou psicopata. É preciso ter muito bom senso e discernimento pra pensar assim, ou seja, seguir o que nós achamos q é certo, ou bom. Nos dias de hj isso é quase como uma dádiva. Bjos

Luna Sanchez disse...

Benzão, no fundo a gente sabe que nem todo mundo é bacana, mas dói quando nos deparamos com alguém que amamos mostrando as garras, tirando a máscara, exibindo seu lado estragado. Dá um desalento, uma sensação de que nada mais vale a pena...Acho natural que seja assim, a decepção é um estágio importante do crescimento.

O ser humano aprende muito mais na dor do que na alegria, fato.

No entanto, apesar dos desapontamentos e das lágrimas, a nossa essência não muda : se somos pessoas de caráter, continuaremos sendo, ainda que passemos por um período de "luto sentimental" e de descrença.

O tempo faz substituições tão sábias, minhas flor...Às vezes pensamos que perdemos algo e, no entanto, logo ali, vem alguém novo e nos mostra que andar reto vale, sim, a pena, e que só perdemos algum tempo oferecendo o nosso melhor quem foi cego, surdo e burro, que não soube nos dar valor, mas que AGORA a coisa será diferente.

E é.

E voltam os sorrisos e o brilho nos olhos.

Nunca seremos iguais, seremos sempre mais espertos depois de um tombo, e essa é a vantagem que devemos tirar dessas catástrofes. E podemos, com toda a certeza, ser mais e mais felizes.

;)

O texto tá ótimo! Lembrou, de fato, a minha Alice, mas tem a tua cara, a tua personalidade.

Parabéns, lindona! Gostei muito da leitura!

Um beijo bem grandão, cheio de saudades!

Luna Sanchez disse...

Opa, esqueci um "a"!

Corrigindo : ...oferecendo o nosso melhor A quem...

:)

Allyne Araújo disse...

Luna - Pra vc vê Benzão como escorpianas se parecem em alguns aspectos. rs... O bom no ser humano é que nada é como antes, apesar de alguns insistirem que nunca mudam, e acho q se a mudança é pra melhor então isso é a grande maravilha. Essa constante metamorfose e coisa e tal.
O 'revolts' da coisa, eu julgo dizer, está em confiar em quem não vale a pena, e em nome disso sair descontando nos outros que nada tem haver. Depois sobra tanta merda, e arrependimento que mais vale pensar três vezes antes de fazer, do que fazer e se lascar depois.
Entretanto, como a maioria de nós só aprende com a dor - e ai eu digo, pessoalmente, q é verdade - essas coisas são necessárias, e quase impossíveis de não imaginar.
No fim sempre vai sobrar uma coisa: equilíbrio.
bjossss!

Rebeca Postigo disse...

Nine...
Como me diverti lendo seu texto revolts...
Hahaha...
Sabe...
Há momentos em nossa vida que queremos ser más, entretanto nem sempre conseguimos...
Sabe porque?
Temos um coração...
Hehehe...
Ainda há pessoas humanas nesse mundo...
Encontre o seu equilíbrio...
Vais ver como tudo vai se acertar...
Grande texto!!!

Bjo, bjo!!!