Pssiu... Susi!*


Se existe algo que eu realmente goste de ler (porque me proporciona prazer e me provoca sérios ataques de risos, e eu não estou mentindo quanto a isso), esse algo é quadrinhos, tirinhas e histórias de super heróis. Entretanto não é sempre que dá para ficar andando por aí com uma revistinha em baixo do braço, ou rindo a toa com os gibis da Turma da Mônica, entre outros, porque parece que quando crescemos certas coisas deixam de ser prioridade e passam para o segundo plano (adultos não andam por aí como se fossem “loucos” rindo de tudo e todos, isso seria o fim para eles/nós).

Se bem me lembro devo a vocês uma continuação do post sobre desenhos, e ainda vou ficar devendo, tendo em vista que (nossa! São tantos detalhes disponíveis em um desenho animado!) ainda não conseguir por tudo que eu quero no papel... Peço sinceras desculpas por lhes fazer esperar mais um pouquinho.

Mas como não dar para falar de toda a leva de revistinhas em quadrinhos disponíveis mundo a fora, porque convenhamos às melhores são aquelas que nos chegam do nada, assim como que por acaso, muitas vezes saídas de uma coleção pessoal de décadas e décadas ou da banca mais próxima de jornal. Definitivamente, se vocês querem saber, eu só vim me interessar a ler em casa através delas (lembrando que isso se deu quando eu era criança e desinteressada para ler algo mais).

Mas daí a gente cresce, surgem novas leituras, novos passatempos e os desenhos (em geral) vão ficando de lado, ou até mesmo esquecidos, idem com os queridos Gibis, HQs, Tiras, e Coquetéis com suas palavras cruzadas. A culpa nem é tanto nossa, pense bem, imagine competir à atenção do público atual com livros, revistas, internet, TV e outras mídias atuais? As crianças que hoje crescem sabem quem foram/são aqueles “grandes” personagens que nós queríamos ser ou imitávamos no passado por conta de que muitos direitos de imagem acabaram indo parar nas reprises de sábado da TV Globo, SBT, Band, entre outras, mas daí, estou misturando as coisas, nosso assunto principal são as “tiras” em quadrinhos, e esse ponto remete aos desenhos animados (concentra Nine).   

Dando uma pesquisada na internet e “folheando” um livro de português de ensino médio (ter tempo nas “férias forçadas de verão” é demais!) reparei que muitas das questões que hoje caem em exercícios, provas, Enem e vestibulares envolvem quadrinhos, mas não na sua forma cômica ou caricatural, eles “caem” porque são uma boa forma de pegadinhas e interpretação de texto, mostrando aí porque que é sempre bom estar acordado nas aulas de artes da escola e se interessar pelas aulas de português/redação/literatura. Feito isso, estaremos preparados para as metáforas, hipérboles, personificações e etc. Isso explica porque minha nota foi tão baixa no Enem (que eu fiz há 5 anos atrás, e me ferrei por conseqüência da minha falta de atenção, principalmente em língua portuguesa).

Sendo ou não um gênero textual, diversão ou pura falta de tempo as historias/tiras em quadrinhos nos emocionam de todos os modos, tal que eu não estaria postando sobre isso para vocês se eu não estivesse com pelo menos 85% de mim envolvida neste assunto, mas antes que eu enrole e devanei ainda mais, trago dois trechos de William B. Watterson II autor/criador de uma das maiores tiras e quadrinhos que eu já vi (não fui pesquisar para saber se eles são mais populares que o Snoopy e Charlie Brow, este que assim como a Mônica, a Luluzinha, Tio Patinhas, e até a Era de prata dos HQ americanos ganharam adaptações para a TV e milhares de divulgações em camisetas, bonés, e produtos em geral), ou será que alguma vez você viu alguém pela rua vestido com um uma blusa estampada do Calvin e do Haroldo (ou em alguns lugares conhecido como Calvin e Hoobs) por aí? Se vir, me avise que eu quero uma para mim também, por favor!

Disponível no site Mundo Quadrinhos (esse trechos são de lá) você encontra por lá uma pequena biografia da vida deste desenhista/escrito que, resumidamente e inexplicavelmente, deixou de escrever essas tiras tão geniais e resolveu se isolar do mundo (não perguntem detalhes, fiquei sabendo disso depois), segundo alguns site ele parou de escrevê-las em 1995/66, não mantém contato com nenhum e fã e não abre mão dos direitos autorais e imagem para seu ninguém. Para ele:

"O truque em escrever uma tira de quadrinhos é cultivar uma atitude brincalhona mental - uma curiosidade natural e interesse por aprender. Se eu mantiver meus olhos abertos e seguir os meus interesses, cedo ou tarde o esforço rendera questões, pensamentos e idéias - caminhos inesperados para novo território. Como Calvin, eu apenas saio no jardim em busca de esquisitice e com a atitude certa, eu faço descobertas.” *

Por isso que eu acho (achismos não fortalecem muita coisa) que divertidos eles são, mais do que isso trazem algo para se pensar:

"Os melhores quadrinhos expõem a natureza humana e nos ajudam a rir da nossa própria estupidez e hipocrisia. Eles se permitem exagero e absurdos, ajudando-nos a ver com outros olhos o mundo e recordando-nos de como é importante brincar e ser ridículo. Quadrinhos retratam os eventos comuns e mundanos da nossa vida e nos ajudam a lembrar da importância de pequenos momentos. Astutamente, eles ressumem os nossos pensamentos e expressões não exprimidos. Às vezes, eles mostram o mundo da perspectiva de crianças e animais, encorajando-nos a ser inocentes por um momento. Os melhores quadrinhos, isso quer dizer, são espelhos de casa maluca, que distorcem aparências apenas para nos ajudar a reconhecer e rir das nossas características essenciais.” *

*Crédito ao Blog Mundo em Quadrinhos, por Desenhista Ayres e ao Depósito do Calvin um dos blogs brasileiros que mais disponibiliza imagens e tiras sobre eles.

* As minhas tiras preferidas são as que a Susi aparece e vira aquela confusão!Rs..

Bom, por hoje é só.. Até semana que vem!!! beijoss!

3 comentários:

Por que você faz poema? disse...

Calvin e Haroldo,
sempre.

Ana Seerig disse...

Calvin e Haroldo são fantásticos.
Muito bem escolhidas as tiras e as frases do criador então!

Acho que o melhor dos quadrinhos realmente está nisso: nos chamar atenção, de modo leve e divertido, pra o que acontece em nosso redor!

Adorei, Lyne!

Rebeca Postigo disse...

Lyne, excelente post...
Amo quadrinhos e sei bem com eles podem nos afetar...
Vez por outra me perco na banca de jornais e acabo comprando um gibi... =S
Me delicio com as estórias bem contadas e recheadas de pensamentos curiosos...
Realmente, quadrinhos nos fazem mais felizes... xD

Bjs