Pequenos prazeres



Uma coisa que minha mãe sempre me disse foi isso: "Temos que nos dar pequenos prazeres". E é por isso que estou aqui aproveitando mais uma vez uma noite sozinha em casa pra fazer batata frita e tomar cerveja. Aliás, vez ou outra minha mãe chegava em casa querendo fazer batata frita porque tava com vontade de tomar uma cerveja preta. Assim, vontade do nada, no meio da semana. 

Lembro quando eu tinha que ir com ela no centro. Ela sempre fazia questão de, em algum momento, parar em um café. "É mais caro", ela dizia, "mas de vez em quando temos que nos dar esses presentes. Gosto tanto disso". Sem falar que ela sempre cuidou muito da nossa alimentação, sempre o mais saudável possível, mas ela nunca proibiu 'porcarias'. "Claro, não podemos fazer dessas coisas rotina, mas tem coisa melhor que um sorvete do McDonald's de vez em quando? E eu adoro a salada deles!" 

Confesso que demorei a entender essas coisas. Até eu estar no centro e ficar com uma vontade repentina de tomar suco de laranja. Até eu estar na Alemanha e sentir uma falta tremenda de batata frita enquanto tomo cerveja. Até eu perceber pessoas fazendo dietas malucas onde certas coisas estão tremendamente proibidas ou pais controlando tudo que os filhos comem de maneira paranoica, enquanto alguns outros se ofendem com os médicos que dizem que seus filhos estão obesos e precisam melhorar a alimentação para serem saudáveis. 

Lembro que eu me empanturrava de bolachinha recheada quando era pequena. Um pacote em meia hora. Outro acerto da minha mãe: depois deixei de comer. Fui uma criança obesa? Não. O cuidado da minha mãe com alimentos saudáveis e meu apego a frutas supriram isso. De verdade, não entendo como há crianças que não comem frutas. Nem que não comem 'porcarias'. Tal como não entendo como pessoas podem riscar de um dia pro outro algo que gostam de comer. 

Dieta? Bom, esse negócio de reeducação alimentar é sério. Em vez de refrigerante, compra um suco no lanche. Em vez de um bolo de chocolate, uma salada de frutas. Deixa o bolo e o refrigerante pro fim de semana. Aliás, sempre rio comigo mesma quando me vejo na universidade com um suco de laranja e um sanduíche natural. Dieta? Não, prazer mesmo. Um pouco mais caro que outras tantas coisas, mas é um 'pequeno prazer' meu. Tal como de repente trocar isso por um baita pastel. 

Que papo estranho esse meu, hein? Mas é que eu tô aqui me preparando pra fazer batata frita e só a ideia já me deixa alegre. De verdade, pessoas, exageros nunca são bons. Não deixem suas crianças comerem só porcaria, mas não deixem de dar isso a elas de vez em quando. São crianças. Não torne um alimento proibido de uma hora pra outra, não se você gosta, apenas cuide a frequência com o qual tu o come. 

"Se a gente tem vontade, a gente tem que aproveitar. Tem coisa melhor do que comer algo que a gente quer na hora que a gente quer?", diria a minha mãe. Acho que não, hein?

3 comentários:

Pandora disse...

Ana que bom ler você nesse modulo pensante, reflexiva, leve... Não que eu não goste do seu modulo blogario, mas sei lá, estava com saudade de ler algo seu assim com lirismo... da vontade até de te pedi para repostar na caixa...

Concordo com tudo o que você disse, também tive uma mãe que cuidava da alimentação, mas não nos impedia de comer besteira... E devo a ela o que sou em muitos aspectos!!!

Foi um prazer começar minha noite com esse texto, tirou um pouco da leve dor de cabeça que começa a me martelar, acho que vou fazer batata frita também só dispenso a cerveja!!!

Dama de Cinzas disse...

Não abro mão dos prazeres da comida. De jeito nenhum, já que acho que é o melhor prazer da vida, nem sexo é melhor pra mim... rsrs.

O que faço é equilibrar, durante a semana um cardápio saudável, mas final de semana eu chuto o balde e como de tudo.. rs

Beijocas

Allyne Araújo disse...

Acho que minha mãe ia se da bem com a sua. Adorei isso que vc escreveu, porque ficou bem legal e é verdade, pois de pequenos prazeres é q nos realizamos! rs.. bjoss