O amor pode estar no carro ao lado

XXXX

A história que vou contar-lhes se deu em uma noite comum, mas que transformou as minhas noites vindouras em festa e alegria. 
Após um dia cansativo, mas produtivo de trabalho, dirigia para casa embalada por uma balada romântica dos Beatles. 
Na minha mente rondavam pensamentos leves, mas um era curioso. Não sei por que, mas comecei a pensar nas letras dos Beatles, nos amores idealizados, nas delícias de um amor recíproco. Eu não sou do tipo ultrarromântica, mas também tenho os meus momentos de devaneios apaixonados. Pensei em como seria massa encontrar um cara que gostasse de mim além do que aparento e demonstro ser. Alguém que conseguisse enxergar até a minha alma. Por mais que não fosse um pensamento constante, eu sempre quis encontrar o amor, me apaixonar insanamente e intensamente e ser amada com a mesma loucura e força. Acho que estou escutando muitas baladas românticas, pensei. 
Estava tão concentrada nos meus pensamentos e no trânsito, que não tinha visto um homem com um sorriso de orelha a orelha acenando loucamente em direção a mim. Olhei-o, gostei do que vi. Um moreno de olhos pequenos e de uma boca que sorria para mim como se tivesse visto passarinho verde. Toda essa minha perícia se deu num instante, porque pouco depois o moreno fazia sinais para que eu parasse o carro, porque queria falar comigo. Eu tinha todos os motivos do mundo para não parar o carro. Um cara que eu nunca vi na vida acenando loucamente para que eu parasse o carro porque queria conversar comigo?
Não sei o que foi que me fez não medir os riscos e parar para falar com aquele estranho. Não sei se foi o olhar dele, que me passava uma bondade, um interesse genuíno e uma ternura ímpar. Não sei se foi o sorriso, largo, lindo e brilhante. Não sei se foi sua pele morena, cor de chocolate. Não sei. Não sei mesmo.
Só sei que ter parado para falar com aquele total estranho foi uma das coisas mais certas que já fiz na minha vida. Ele tinha me achado linda, tão linda, que não conseguiu conter o desejo de falar comigo e pedir o número do meu celular. Eu achei isso uma graça. Uma gracinha. Que doido. Que cara mais doido. Doido por mim. Conversamos por algum tempo naquela noite, marcamos de nos encontrar tão logo foi possível e o carinho e a paixão brotaram naturalmente entre nós.
Há seis meses estamos juntos. Conheço a família toda dele, incluindo os agregados felinos e caninos (risos).
Ele é o cara mais fofo e mais louco que encontrei na vida. Eu nunca fui sã, também, por isso que acho que a nossa loucura combina bem, mas muito bem.
O amor acontece, assim, repentinamente, no meio da noite, no meio do trânsito. O amor chegou assim pra mim, como um ar fresco numa noite de verão e alegrou não só as minhas noites posteriores mas os meus dias e toda a minha vida.
Não perca o amor de vista. Fique atento. Ele pode estar no carro ao lado.

Erica Ferro

• • • 
Conto com base numa história real. Dei umas floreadas, claro, como sempre. Vocês me conhecem (risos). Esse conto foi escrito especialmente para a minha querida Luanna Melo e o seu amor Thiago Felipe. Espero que o casal tenha gostado!
(...)
Um abraço da @ericona.
Hasta la vista!

2 comentários:

XimI disse...

Fantástico o conto, parabéns pelas palavras conseguiu expressar exatamente oque aconteceu comigo e com Luanna, Um enorme beijo para você e que Deus esteja sempre contigo!/ Thiago Felipe

Dayane Pereira disse...

Que linda história! Contada de forma tão bela, parabéns!!